"Belém Ilhas e Sabores" mostra a gastronomia criativa da região

Da Redação - Agência Belém de Notícias - 16/06/2017 10:19

  • / SELO UNESCO / 16/06/2017 10:19

    Belém é a única cidade do roteiro do Brasil Sabor onde o festival se estendeu por 30 dias que encerram com outro festival: o "Belém Ilhas e Sabores"

  • / SELO UNESCO / 16/06/2017 10:19

    A chef de cozinha Eliana Furtado acredita que o evento feito em um único espaço é a oportunidade de mostrar a gastronomia local para todos os públicos

  • / SELO UNESCO / 16/06/2017 10:19

    A regionalidade dos ingredientes, cada vez mais conhecidos dos grandes chefs, também tem conquistado paladares em formação

  • / SELO UNESCO / 16/06/2017 10:19

    A oitava edição do Festival Brasil Sabor encerra neste final de semana em Belém

  • / SELO UNESCO / 16/06/2017 10:19

    Para Wagner Vieira, chef do Toró Gastronomia Sustentável, o evento no Ver-o-Rio valoriza a divulgação da gastronomia regional

  • / SELO UNESCO / 16/06/2017 10:19

    Em 2016, a Assembleia Geral da ONU decretou o dia 18 de junho como o Dia da Gastronomia Sustentável, em todo o mundo


A valorização da matéria-prima do Pará tem sido ingrediente essencial para a realização da oitava edição do Festival Brasil Sabor, que encerra este final de semana em Belém. Usando do camarão seco ao chocolate produzido na Ilha do Combu, os quase 30 chefs de restaurantes locais se empenharam para desenvolver pratos especiais para o evento. Belém é a única cidade do roteiro do Brasil Sabor onde o festival se estendeu por 30 deliciosos dias que encerram com outro festival, o "Belém Ilhas e Sabores", fechando o circuito gastronômico. Na programação que será realizada no sábado, 17 e domingo, 18, a partir das 10h, no Complexo Ver-o-Rio, uma extensa programação inclui palestras, aulas show e a presença de todos os restaurantes que participaram do evento. “A promoção do festival em Belém foi um evento ímpar, e que nos deu a oportunidade para lançar o Festival Belém Ilhas e Sabores, que além de contemplar o encerramento do circuito se tornará uma programação fixa da agenda do município”, assegurou a representante do município no Festival Brasil Sabor, Cláudia Sadalla.

Desde que Belém recebeu da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em 2015, o título de Cidade Criativa da Gastronomia, a cidade vem se destacando como uma referência gastronômica no Brasil e impulsionando a gastronomia da região até mesmo para fora do país. É exatamente essa a proposta do Sabor Brasil: a utilização de ingredientes e receitas características de cada localidade no preparo de pratos que tenham a cara e o sabor da região, fomentando a indústria gastronômica local.

E quando se trata de Belém, as opções são muitas. Diferentes, saborosas e que permitem exercitar a criatividade desde as entradas aos pratos principais, até a sobremesa. Possibilidades estas que fazem chefs como Eliana Furtado acreditarem que o evento concentrado em um único espaço é a oportunidade para mostrar não somente aos visitantes, mas, também, ao paraense, de que a gastronomia local é única. “Trabalho há dez anos no Ver-o-Rio, e receber um festival nacional de gastronomia, reunindo um público numeroso é ótimo. Depois do selo [da Unesco], a procura pelos nossos ingredientes e comidas regionais aumentou. O próprio paraense começou a procurar mais”, enfatizou Eliana que é proprietária do restaurante Tapioquinha da Amazônia.

A empresária conta que as tapiocas incrementadas com ingredientes da terra são as que mais saem e que o prato desenvolvido para o festival, como a tapioquinha Pai D’égua, agregou ainda mais valor regional. “É notória a aceitação do público em relação aos sabores típicos. O que criei especialmente para o festival está tendo uma grande procura. Coloquei pupunha, jambu, e o principal material da nossa barraca, que é a tapioca e o camarão. Não tem nada tão paraense quanto essa mistura”, afirmou.

Já Eliete Santos, da doceria Eti Mariqueti aposta que tem sim uma receita mais paraense, e para provar juntou em uma só sobremesa os sabores do cupuaçu, bacuri e do chocolate Castella, produzido na Ilha do Combu. Foram dias de teste e experimentos até que os ingredientes se juntassem em uma experiência única e inesquecível. São quase 15 anos criando receitas para vender, mas para o festival é diferente, é o momento de ser regional e se empoderar dos itens regionais. “Quando se fala em Brasil Sabor vem à mente várias ideias, mas principalmente a oportunidade de unir em uma única receita os sabores daqui. Nada se compara ao fato de vendermos os produtos da terra e saber que as pessoas embarcam nessa com a gente. Essa essência do bacuri ou cupuaçu é a nossa cara”, brincou a chef Eliete.

A regionalidade dos ingredientes, cada vez mais conhecidos dos grandes chefs, também tem conquistado paladares em formação. É da agricultura familiar que saem os produtos que deixam a merenda escolar, da rede municipal, mais nutritivas e saborosas e que garantiram à Prefeitura de Belém o prêmio “Educando com a Horta Escolar e a Gastronomia”, eleito em 2016 pela Fundação Abrinq (Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos) e que rendeu, inclusive, um livro com as melhores receitas criadas pelas merendeiras da Secretaria Municipal de Educação (Semec).

Esse outro lado da gastronomia paraense também estará presente no Ver-o-Rio durante o Festival Belém Ilhas e Sabores. A Fundação Municipal de Assistência ao Estudante (Fmae) vai oferecer ao público uma pequena mostra do trabalho realizado nas escolas da rede municipal, com as hortas suspensas, as que utilizam barcos de miriti e a horta em forma de mural feita com cano de PVC, além da distribuição de mudas para os visitantes.

"Esse momento em que iremos expor ao público o que é feito pela Fmae com os alunos e, consequentemente à comunidade, é muito importante, porque temos a oportunidade de divulgar a prática que está sendo desenvolvida na rede municipal. Essa iniciativa é simples, mas de grande apelo social nos dias atuais, em que estamos unindo o processo educativo pedagógico e ambiental, à arte de alimentar-se bem”, esclareceu o presidente da Fundação, Walmir Moraes.

Outro órgão que está diretamente envolvido com a promoção do Festival Belém Ilhas e Sabores é a Fundação Escola Bosque (Funbosque), por meio da Fundação Escola de Pesca, que trabalha com a educação de jovens ribeirinhos. É o resultado desses aprendizados que a Funbosque levará ao evento, através da degustação dos alimentos preparados durante as aulas como o salmão defumado pelos próprios alunos. “Este vai ser um excelente momento para que as pessoas saibam o quanto a Prefeitura de Belém é empenhada em capacitar o nosso jovem pescador da região das ilhas, o ribeirinho que também faz parte da cidade e está inserido nesse processo de desenvolvimento econômico e social de Belém. Então é desta forma que estamos contribuindo para este evento, fomentando a atividade pesqueira, a cultura da nossa terra”, ressaltou a presidente da Funbosque, Meg Parente. Além da degustação de alimentos, a fundação fará a exposição do artesanato local.

A Coordenadoria Municipal de Turismo (Belemtur) também participa do festival expondo o potencial turístico da cidade, assim como a Secretaria de Estado de Turismo (Setur) que, em parceria com o Hotel Gold Mar, estará realizando uma programação voltada para esportes náuticos e passeio de barco pelas ilhas.

Sabor, criatividade e inovação vão dar o tom para o Festival "Belém Ilhas e Sabores", que será realizado neste final de semana no complexo do Ver-o-Rio, que passou, inclusive, por uma revitalização. “O Ver-o-Rio tem tudo a ver com a nossa cidade. À beira do rio, com as nossas comidas regionais, um ambiente completamente diferente que remete ao nosso cotidiano, isso valoriza a arte de comer”, reconheceu Wagner Vieira, chef do Toró Gastronomia Sustentável, restaurante que também participa do festival.

Dia da Gastronomia Sustentável

Vale destacar que no final do ano passado a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) decretou o dia 18 de junho como o Dia da Gastronomia Sustentável, em todo o mundo. Por promover o desenvolvimento agrícola e conservar a biodiversidade, esta é uma data que assinala a cozinha ambientalmente responsável.

A gastronomia sustentável define-se como a triagem e preocupação com as fontes das matérias-primas utilizadas na confeção de alimentos, incentivando o desenvolvimento regional e, tentando sempre diminuir os danos no meio ambiente.

Serviço:

Festival Belém Ilhas e Sabores

Sábado (17) e domingo (18) das 10h às 21h

Complexo Ver-o-Rio

Texto: Karla Pereira
Foto: Fernando Sette - Comus
Coordenadoria de Comunicação Social (COMUS)