Decreto regula a circulação do pescado


Decreto

regula a

circulação

do pescado

COMÉRCIO

FISCALIZAÇÃO - Objetivo é evitar que o

aumento da demanda cause escassez do produto

A Prefeitura Municipal

de Belém (PMB) elaborou um decreto que

fiscalizará a circulação

intermunicipal de pescado

em Belém. A medida será

aplicada entre os dias 10 e

18 de abril. De acordo com

o secretário municipal de

Economia, Rosivaldo Batista, responsável pela criação

do documento, não haverá

limitação da venda, apenas a

normatização do transporte

das mercadorias na Doca do

Ver-o-peso, para que o aumento da demanda por peixe durante a Semana Santa

não impossibilite a compra

do alimento pelos moradores de Belém.

O anúncio do decreto foi

feito ontem, em reunião na

sede da da Secretaria Municipal de Economia (Secon),

na travessa Piedade, 651, no

bairro do Reduto. Estiveram

presentes representantes

de diversos órgãos públicos

e entidades da sociedade

civil, como as secretarias

municipais de Saúde (Sesma) e de Saneamento (Sesan); a Secretaria de Estado

da Segurança Pública e da

Defesa Social (Segup); o Departamento Intersindical

de Estatística e Estudos Socioeconômicos

(Dieese); a Agência de

Defesa Agropecuária do Estado do Pará

(Adepará); a Associação dos Balanceiros do

Ver-o-Peso (Asbalan) e

a Associação Paraense do Supermercados

(Aspas).

“Como não acreditamos que deva ser

feito tabelamento do preço

do pescado, nosso objetivo

é dar condições para que a

oferta aumente. Quando a

oferta aumenta, obviamente, o preço fica mais acessível ao consumidor. Estamos

trabalhando para que o preço não suba tanto, mais do

que já subirá normalmente,

já que isso é inevitável nessa

época. Também estenderemos o horário para as vendas no Ver-o-Peso. Como os

supermercados funcionam

até o turno da noite, aumentaremos o tempo na feira”,

anunciou Rosivaldo Batista.

Na pedra do peixe, o comércio

funcionará de meia noite até às

6h. Já no mercado de peixe, o conhecido como Mercado de Ferro,

a venda será entre 5h e 16h, o que

aumenta em aproximadamente

cinco horas o tempo para que os

consumidores possam adquirir a

quantidade desejada de pescado.

Com o mesmo intuito de garantir o comércio com preço razoável,

a Secon organizará também o Varejão do Pescado, feira que será

instalada nos dias 16, 17 e 18 de

abril, no Mercado da Sacramenta,

que fica na avenida Senador Lemos. “Lá, os preços poderão ser

controlados por nós. Entraremos

em acordo com os comerciantes,

a partir das nossas pesquisas de

preços, pedindo que eles pratiquem preços menores dos já divulgados em nossos levantamentos e que estão sendo praticados

no mercado tradicional”, explica

Rosivaldo.

O economista e supervisor

técnico do Dieese, Roberto Sena,

afirma que, durante os meses de

fevereiro e janeiro deste ano, já

foi observado aumento acima da

inflação (1%) no valor do quilo da

maioria das espécies de pescado

comercializados no Estado. A pescada amarela e o filhote, por exemplo, apresentaram aumento de

12,41% e 3,59%, respectivamente.

O cadastramento dos interessados em realizar o transporte do

pescado durante a Semana Santa

será feito pela Secom, com o recebimento de documentos oficiais

encaminhados pelas outras prefeituras municipais.