CRIANÇAS QUE CANTAM EM NOVA EDIÇÃO LANÇAMENTO


CRIANÇAS QUE CANTAM

EM NOVA EDIÇÃO LANÇAMENTO

- Projeto coordenado pelo

violonista Salomão Habib

ganha amanhã novo CD e DVD

O violonista Salomão Habib lança o CD e DVD “Cantar-o-lar 2 - Crianças que Cantam”, fruto da ação de

arte e educação através da música, realizada por ele

em escolas públicas, desde o ano de 2016. O projeto

já percorreu 34 estabelecimentos de Belém e das ilhas, envolvendo mais de seis mil crianças e jovens em 34 corais

diferentes, com quase 100 músicas gravadas. “Cantar-o-lar

2” reúne canções compostas por Salomão a partir do diálogo com os alunos. São canções com temas de história,

geografia, ciências, inclusão social, cidadania, meio ambiente, afetividade, bulling, tradições, costumes e cultura

regional em ritmos variados, como carimbó, lundu, xote,

frevo, baião, balada, canção, toada e ciranda.

O show de lançamento será amanhã, 16, às 19 horas, no Theatro da Paz, com a participação dos corais

infantis de oito escolas vinculadas à Prefeitura de Belém: Francisco Nunes, Edson

Luiz, Madalena Raad, Ida Oliveira, Faveira

- Bosque, Palmira Gabriel, Angelus Nascimento e Alzira Pernambuco. As crianças

serão regidas e acompanhadas por Salomão Habib com o seu violão.

Essas escolas foram contempladas pelo

Cantar-o-lar entre os meses de agosto e

dezembro de 2017. A música carro-chefe

desse CD e DVD é o “Rap da Sujeira”, que

ensina as crianças a economizarem água

e a descartarem o lixo adequadamente para prevenir doenças e o entupimento de

bueiros que, com as chuvas, causam alagamentos. “Esse

projeto tem a chancela do Fundo das Nações Unidas para

a Infância (Unicef)”, destaca.

O Cantar-o-Lar foi concebido e desenvolvido por Habib. “É

um projeto inclusivo em sua essência que traz o contexto e

a sonoridade amazônica através de composições infanto-juvenis especialmente compostas por mim com temáticas que

envolvem a tolerância, o descarte responsável do lixo e o imaginário amazônico, entre outros.

Fazemos rodas de conversa sobre os temas, ensaios e muita música é levada aos alunos que aprendem cantando. Os

professores também são instruídos e recebem gratuitamente

o material didático para uso posterior em sala de aula como

ferramenta arte educativa”, explica.

O projeto inclui as crianças com autismo, Síndrome de

Down e paralisia cerebral, bem como crianças sem deficiência. “As crianças com autismo e paralisia cerebral, mostram

considerável interesse pelas canções e participação com

muito mais prazer das atividades.Combater o preconceito e

discriminação e incentivar a inclusão são fundamentos desta ação de arte e educação. Por isso, também envolvemos as

famílias e a comunidade do em torno da escola”.

Cultura

A FASE RACIONAL DE TIM MAIA

RESSURGE NO STREAMING

Discos lançados nesta fase da vida do músico são

considerados raridades. Página 6.

BELÉM, SEGUNDA-FEIRA, 15 DE ABRIL DE 2019

ENIZE VIDIGAL

Da Redação

O primeiro CD e DVD do

Cantar-o-lar foi lançado no

ano passado. A exemplo do

volume anterior, também o

2 tem distribuição gratuita

nas escolas. Habib já está

finalizando a produção dos

volumes 3 e 4, que já estão

gravados e deverão ser

lançados no próximo semestre

e em 2020, nessa ordem. “O

Cantar-o-Lar nasceu da idéia

de fazer da música uma forma

eficaz de educar, comover e

unir as pessoas.” Trabalhando

com crianças e jovens há

mais de 38 anos na cidade de

Belém, Salomão Habib, além

do trabalho como concertista

de violão criou um extenso

repertório de canções infantis,

já gravadas e divulgadas em

todo o Brasil pelo selo Palavra

Cantada de São Paulo e por

mais de 40 corais em todo

o país, além de mais de 180

músicas inéditas que fazem

parte do projeto.

“É um trabalho muito

gratificante porque você

vê o amor contido nessas

crianças pelo que elas fazem,

o amor umas pelas outras e

o despertar da consciência

cidadã, do sentimento de

pertencimento ao lugar em

que vivem, conhecendo a

sua história. A criança passa

a ter outro referencial de

importância social”, descreve o

coordenador do projeto.

“A música tem sido um

importante processo na

educação geral pelo aspecto

multidisciplinar e na diminuição

da violência em diversos níveis,

pois é uma linguagem acessível

e permite a elevação da auto

estima, da sensibilidade e do

senso de congregação.” A ideia

de criar o projeto Cantaro-lar surgiu ao perceber na

filha a ampliação do processo

de aprendizagem com a

música. “Vi que a música

tinha um poder muito maior

de alcance que o material

didático das escolas”.

Ele destaca que a importância e

a eficácia do processo do ensino

e aprendizagem através da

música são crescentes em todas

as crianças do mundo. “O Projeto

Cantar-o-Lar oferece às crianças

toda a ternura das músicas

populares infantis, cirandas

e cantigas e do imaginário da

cidade. É uma realização que

contextualiza para o aluno a

regionalidade amazônica da

cidade de Belém, com músicas

gravadas em CD e suas histórias

escritas em livro, que despertam

a consciência para a cidadania,

meio ambiente, afetividade,

honestidade, respeito, civilidade,

folclore, tradições e acima de

tudo a união entre as pessoas”.

O violonista explica que, este

ano, o projeto Lar pretende

envolver um número maior

de crianças em parceria

com a Política Institucional

Aliança pela Paz, do Unicef,

e sob a orientação da

Secretaria Municipal de

Educação de Belém.