Cemitérios ganham limpeza para receber os visitantes


Cemitérios

ganham limpeza

para receber

os visitantes

“Isso é um cemitério ou

uma floresta”?, perguntou o operador

de máquinas Daniel

Adriano de Souza, de 36 anos,

ao chegar ao cemitério do Tapanã, ontem pela manhã. A

imagem, de fato, é de abandono.

Daniel foi visitar os túmulos da

esposa, que faleceu há oito anos,

e da mãe, que morreu há cinco

anos. Ele observou que, no final

do terreno do cemitério, a situação é ainda pior, pois o local é

cercado de mata fechada. É comum ouvir relatos de assaltos.

Funcionários a serviço da

prefeitura limpavam o cemitério, de onde retiravam uma

grande quantidade de mato. “O

cemitério só é lembrado nessas

datas, como, por exemplo, no

Dia das Mães. Depois, é totalmente esquecido”, afirmou o

operador de máquinas.

No Cemitério São Jorge, na

Marambaia, José Maria Ferreira, 85 anos, e a esposa, Raimunda Silva Ferreira, 74, cuidavam da sepultura nos qual

estão enterrados os corpos

de familiares deles - entre os

quais irmãos, primos e cunhado. E, também, a mãe de dona

Raimunda. Usando um terçado, seu José limpava em volta

da sepultura. Raimunda disse

que as pessoas que recebem

para cuidar das sepulturas só

o fazem em datas especiais, como no Dia das Mães, dos Pais e

Finados. “As famílias é que vêm

limpar”, afirmou. Ela lembrou

que, no ano passado, nessa época, o alto estava muito grande

no cemitério. “O capim estava

muito alto. Agora, mandaram

bater o capim”, explicou.

Segundo a Prefeitura de Belém, são esperadas cerca de 90

mil pessoas nos cemitérios da

capital, no próximo domingo.

Para o “São Jorge”, na Marambaia, a estimativa é de 18 mil

visitantes; o da Soledade, no

bairro de Batista Campos, deve

receber cerca de 500 pessoas,

por ser tombado. Com a maior

estimativa de público, o “Santa

Izabel”, no Guamá, deve receber

25 mil visitantes. Hoje (sábado),

os de Santa Izabel e São Jorge

vão funcionar das 8 às 17 horas. E, no domingo, das 6 às 17

horas. O cemitério da Soledade

funcionará apenas no domingo,

das 8 às 13 horas No domingo,

também vai ocorrer a tradicional missa na capela do cemitério de Santa Izabel, às 7 horas.