Prefeitura terá recursos da Caixa


Prefeitura terá recursos da Caixa

A possibilidade de garantir mais recursos para investir na compra de

equipamentos e obras de

infraestrutura, mobilidade

urbana e outros, foi garantida ontem à tarde, durante

INFRAESTRUTURA

a assinatura do contrato do

Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento

(Finisa) entre a Prefeitura de

Belém e representantes da

Caixa Econômica Federal.

A assinatura ocorreu no

atual gabinete da Prefeitura de Belém, no bairro de

Nazaré, e contou com a presença do Superintendente

da Caixa Econômica na Região Norte, Israel Baltazar

Sardinha, e os titulares das

secretarias de Urbanismo

(Seurb), Economia (Secon),

Assistência (Funpapa), Saúde (Sesma) e de Planejamento e Gestão (Segep).

Para Israel Baltazar Sardinha, Superintendente da

Caixa Econômica na Região

Norte, a parceria com a Prefeitura, visa trazer mais benefícios para a população.

“Mais uma parceria da Caixa com a Prefeitura de inúmeras outras com financiamentos em contratos ativos

em beneficio da população”,

destacou.

O valor do financiamento, para Belém, é de R$ 193

milhões que poderão ser

investidos em reformas de

logradouros, prédios públicos, unidades de ensino,

além da pavimentação e

manutenção de vias da capital. “Esse empréstimo assinado hoje, validado e aprovado pela Secretaria do Tesouro Nacional, demonstra

o equilíbrio das contas da

Prefeitura”, ressalta Zenaldo Coutinho. “Esse recurso

vai espalhar investimentos

expressivos nas áreas mais

necessitadas da cidade, levando asfaltamento, drenagem, calçadas, além de

contemplar a restauração

do patrimônio histórico“, finalizou o prefeito de Belém.

O programa possibilita

que as prefeituras financiem itens definidos como

Investimentos e Despesas

de Capital em seu orçamento, tais como compra de

equipamentos, estudos e

projetos, obras de infraestrutura urbana e social (mobilidade urbana, prédios

públicos, hospitais, creches

e presídios), obras de infraestrutura econômica (energia, logística, petróleo, telecomunicações, biocombustível, gás e indústria naval)

e de saneamento ambiental

(resíduos sólidos urbanos,

água, esgoto e drenagem).