Metade dos banheiros de estádio e ginásio serão para mulheres


Metade dos banheiros

de estádio e ginásio

serão para mulheres

CONFORTO

LEI - Vereadores de Belém aprovaram projeto que aumenta o número

das instalações reservadas para o público femino em casas esportivas

P

rojeto de Lei aprovado

nesta terça-feira (10),

na Câmara Municipal

de Belém, determina

que metade das instalações

sanitárias em estádios ou

ginásios da capital paraense seja reservada ao público

feminino.

O projeto original, apresentado pela vereadora

Simone Kahwage (PRB),

garantia a reserva de 30%

dos banheiros dos estádios

de futebol às mulheres,

sem prejuízo das vagas

destinadas às portadoras

de necessidades especiais.

No entanto, uma emenda

apresentada pela mesma

vereadora aumentou esse

percentual para 50% e outra

emenda, do vereador Toré

Lima (PRB), ampliou a regra

também aos ginásios. Para

virar lei, a proposta precisa

ser sancionada pelo prefeito

Zenaldo Coutinho.

No Mangueirão, há quatro banheiros femininos e

44 masculinos na área da

arquibancada. Já para quem

vai utilizar as cadeiras, são

dois masculinos, dois femininos e dois para cadeirantes, de cada lado. Na área da

tribuna está disponível um

masculino e um feminino

de cada lado. Esse é o mesmo número para quem for

assistir aos jogos nos camarotes.

Alguns vereadores se

manifestaram sobre os benefícios do projeto, durante

a sessão desta terça. "Isso é

muito importante porque

representa melhoria dos

serviços prestados à população”, declarou o presidente da Casa, Mauro Freitas

(DC). Ele lembrou que os

vereadores foram muito criticados quando aprovaram

a liberação de bebida alcoólica nos estádios. "Mas não

Vereador Mauro Freitas defendeu a

produtividade da Câmara Municipal

FÁBIO COSTA - ARQUIVO

tinha nada a ver com incentivo à bebida alcoólica e

sim o direito do cidadão de

consumir a bebida que ele

tem vontade. Hoje, a gente

garante de novo direitos ao

cidadão com a aprovação

deste projeto" enfatizou.

Ele citou ainda que a casa também foi criticada pela aprovação do projeto que

proibia a comercialização

da linha chilena, usada nas

pipas, em Belém. Segundo

Mauro Freitas, isso garantiu

seguranças aos cidadãos,

especialmente as crianças.

"Aprovamos projetos importantes para a cidade".

Para o vereador Fabrício

Gama (PMN), a proposta

aprovada ontem beneficia,

principalmente, as famílias. "Porque, hoje, o marido não leva a mulher para

o campo porque não existe

um conforto para sua esposa e filhas. Agora, eu posso

levar minha esposa comigo,

para assistir um jogo de futebol. Nós temos que olhar

o benefício de um projeto

desse”.

Autora da proposta, Simone Kahwage ressaltou,

em sua justificativa, que o

público feminino acaba ficando por longos períodos

privado de suas necessidades fisiológicas, pois não

há banheiros suficientes

para atender a crescente

demanda, causando diversos transtornos que atingem diretamente a dignidade das mulheres que desembolsam o mesmo valor

do ingresso que o público

masculino e deveria ter

equidade no atendimento.

“Vale ressaltar que os

estádios de futebol retêm

valores significativos de bilheteria, representando um

setor lucrativo e, sem dúvida, dispõem de recursos

necessários para atender a

simples exigência disposta nesta proposição que,

caso de negativa, poderá

fazer-se de parcerias com

empresas do setor privado

para atingir tal finalidade”,

concluiu Simone