Pará prorroga campanha DE VACINAÇÃO


Pará prorroga campanha DE VACINAÇÃO

GRIPEIMUNIZAÇÃO - Sespa diz que grupos prioritários podem se vacinar até o dia 17 de julho no Estado. Meta é vacinar quase dois milhões de pessoas no Pará..

Hoje é o último dia da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gri-pe em todo o país. Cer-ca de 21 milhões de pessoas ainda não foram imunizadas. A meta no Brasil é vacinar 90% dos grupos prioritários. Po-rém, até a manhã de ontem, foram vacinadas 84% do públi-co-alvo. No Pará, a campanha foi prorrogada até o dia 17 de julho, e a meta de vacinação é de 1.911.628. Já em Belém é de 433.798 pessoas, das quais 385.500 (88,86%) já foram vaci-nadas. A Secretaria Estadual de Saúde (Sespa) não divulgou, até ontem à noite, o balanço atua-lizado da campanha no Estado. Em todo o País, esta tercei-ra e última fase iniciou 11 de maio e foi prorrogada até hoje, para tentar alcançar mais 28,3 milhões de brasileiros. Ainda segundo o Ministério da Saúde, quem deixou de se imunizar nas etapas anteriores ainda po-de se vacinar. Para isso, basta procurar um Centro de Saúde ou Unidades de Saúde no País. De acordo com a Sespa, a prorrogação no Estado se re-fere à terceira etapa da cam-panha, portanto, a vacinação continua para os grupos prio-ritários: crianças de seis meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas, indígenas e pessoas de 55 a 59 anos. Também estão nessa etapa professores, ado-lescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medida socioeducati-va, população privada de liber-dade e funcionários do sistema penal. A vacinação é oferecida nos postos de vacinação, das 8h às 17h.A vacina contra a gripe (In-fluenza) é de graça e impor-tante, pois protege contra a gripe e ajuda a evitar a sobre-carga no Sistema de Saúde - o que pode piorar, ainda mais, a situação dos hospitais em tempos da pandemia do novo coronavírus. Devem se vacinar pesso-as que compõem os grupos prioritários: idosos, traba-lhadores da saúde, pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras con-dições clínicas com indicação médica, funcionários do sis-tema prisional, adolescentes sob medidas protetivas e a população privada de liber-dade. Além de profissionais das forças de salvamento e segurança, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo, trabalhadores portu-ários, pessoas com deficiência física, indígenas, crianças de seis meses a seis anos incom-pletos, gestantes, mulheres no pós-parto, professores de escolas públicas e privadas e pessoas, de 55 a 59 anos. Aos 56 anos, a aposentada Magali Souza diz que é im-portante receber a dose da vacina. “Eu já tive covid-19 e vou me vacinar contra a gripe, porque o vírus H1N1 também mata, né? É um vírus que to-dos os anos circula e temos que nos cuidar e nos prevenir, para evitar o pior até para não acumular vírus no organismo ao mesmo tempo”, afirma a aposentada, que nem demo-rou para ser atendida na Uni-dade de Saúde da Cremação, em Belém, logo cedo desta se-gunda (29). Alexandre Quadros da Silva tem 55 anos e é agente de por-taria. Para ele, a vacina contra a gripe é também fundamental para ajudar na prevenção da saúde e da vida.“Como estou sem trabalho hoje e tenho expediente só amanhã, resolvi vir vacinar. A gente tem que se prevenir, porque ninguém sabe o que pode acontecer, já que vive aparecendo outras doenças aí... Acabei deixando para vir só agora junto com minha es-posa. O que a gente espera é que encontrem logo a vacina para a covid, como já tem pa-ra a gripe”.